CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação»

CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação»

CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação» 655 345 CMIN Summit

O Centro Materno Infantil do Norte (CMIN), integrado no Centro Hospitalar e Universitário do Porto, vai partilhar, esta semana, parte da sua experiência no CMIN Summit’19 e promover um amplo debate sobre os “desafios da doença crónica”. Caldas Afonso, chair do congresso de Saúde Materno Infantil, explica que o CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação».

A natalidade em Portugal será o tema de abertura do evento, que acontece pelo terceiro ano consecutivo. Agendada para os próximos dias 5 e 6 de julho, a reunião decorrerá no auditório do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), reunindo especialistas de todo o país, bem como alguns oradores estrangeiros.

CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação»

Dando continuidade à alteração concretizada na edição do ano passado, o programa da reunião subdivide-se em três áreas, que decorrem em simultâneo – dirigidas, separadamente, à Pediatria, à Obstetrícia/Obstetrícia e à Enfermagem. Contudo, a sua parte inicial é comum e “aberta à sociedade”. O CMIN distingue-se pelo «elevado nível de diferenciação» e isso, com efeito, é reconhecido pela população.

“O melhor feedback que pode existir são os louvores da população”

Em declarações à Just News, Caldas Afonso, diretor do Centro Materno Infantil do Norte há cerca de dois anos, sublinha que “este é um hospital de nível três, que tem a sua vocação quer na área da mulher, quer na da criança. Além disso, é a segunda maior maternidade a nível nacional”.

O pediatra, que preside ao CMIN Summit 2019, reconhece o elevado nível de exigência a que toda a equipa está sujeita: “Temos uma grande responsabilidade com a população que escolhe ter aqui o parto que, felizmente, tem sido crescente, o que revela que a nossa missão está a corresponder às expectativas das pessoas que nos procuram.”

Por outro lado, o responsável faz questão de frisar a excelente qualidade dos profissionais e das instalações, que “concorrem com o que de melhor se pode fazer em qualquer parte do mundo civilizado”.

Caldas Afonso e António Tomé, respetivamente chair e co-chair do CMIN Summit

Salienta, também, o facto de estar inserido num grande centro hospitalar, “o que permite a existência de determinado tipo de serviços que esta área, por si, poderia não justificar, mas que são importantes, nomeadamente, o acesso a alta tecnologia”.

“É um projeto extremamente interessante. Reunimos condições hoteleiras e técnicas únicas, o que permite que o Norte tenha um local de excelência para responder às necessidades da população “, diz.

Para o diretor do CMIN, “o melhor feedback que pode existir são os louvores das pessoas que todos os dias chegam ao Centro”, elogiando a maneira como foram tratadas.

“Neste momento, o Centro oferece aquilo que era típico dos hospitais privados, como uma maior comodidade e privacidade. Distingue-se, ainda, pelo elevado nível de diferenciação, o que permite resolver qualquer questão que possa surgir relacionada com a mãe ou o feto”, acrescenta.